Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Valentine

um blog indefinido e mesclado como só ele sabe ser

Declarações Arrojadas sobre o Sexo Feminino

 

chris-barbalis-610231-unsplash.jpg

 

 

  É algo tão simples quanto isto: eu adoro ser mulher. Adoro! Mesmo com todas as coisas chatas que isso envolve, tipo hemorragias mensais e montanhas russas de emoções durante as mesmas. Adoro quando oiço alguém dizer "Isso só acontece porque és mulher", seja em que contexto for. Sei que há muitas companheiras de género que odeiam esta frase, ou todas as outras com o mesmo sentido, mas eu gosto de imaginar que é o meu super poder. Imagino-me logo no topo de uma arranha-céus com uns vertiginosos Louboutin, batom vermelho e uma capa da mesma cor a esvoaçar.

 

  Claro que há realidades que aniquilam essa visão utópica do meu ser. Uma dessas situações é quando estou sozinha, a caminho do trabalho, e oiço a buzina oriunda de um carro repleto de homens porque ousei vestir uma saia. Todas as mulheres sabem que vestir uma saia é o equivalente a usar um sinal que diz "Olha para mim, sou um suculento naco de carne na montra do talho!". Por muito que me incomode e repulse, até nessas situações tento flutuar no copo meio cheio e pensar que aquela saia era tão gira que até os homens a queriam poder usar. E podem. Os macaquinhos no sotão é que não os deixam. 

 

  Escrever sobre este tema e assumir tão abertamente a minha visão do poder magnífico que é ser mulher é pedir para ser linchada em praça pública. Sei perfeitamente que este texto tem tudo para ser mal interpretado. Porém, esta é a maravilha da liberdade de expressão, e, se é invocada tantas vezes por coisas bem mais parvas, aqui também serve muito bem o seu propósito. E pensar que este texto foi inspirado pela leitura de uma revista feminina repleta de padrões de beleza absurdos impostos pela sociedade. Oh, the irony

 

1 comentário

Comentar post