Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Valentine

um blog indefinido e mesclado como só ele sabe ser

Pequenas compras

Hoje aproveitei o domingo para dar um jeito ao armário e organizar a cabeça para amanhã. Fomos almoçar todos (sim, todos, eu, a mãe, o pai, a mana e o B.) ao shopping, comer sushi, só para variar um bocadinho e acabámos por comprar algumas coisas que ainda faziam falta para o arranque da semana. Comprei um blazer preto (FINALMENTE), há imenso tempo que fazia falta. É da Tally Weijl, custou 25,95€, o que foi perfeito, dado que não queria dar muito dinheiro por um blazer. Estou completamente apaixonada por ele, pena fazer tanto calor... Mais apaixonada ainda estou pelo meu termo. Como sou a Maria das pressas e nunca consigo acabar de comer em casa, ando sempre com chá atrás. O termo que tinha aqui por casa era horrendo, super difícil de usar e enorme. Este também da Tally Weijl, é só o maior amor! Ora confiram:

 

Pensamento a longo prazo

Este ano é o meu último aqui no Algarve (ESPERO EU HISTERICAMENTE). Ouvi a Mia dizer que a mensalidade do ginásio aumentou. O que vou fazer? Deixar de ir ao ginásio, e continuar a meter de parte o dinheiro do ginásio para despesas académicas. Solução para a forma física? Caminhadas. Tem de ser, o dinheiro está escasso e eu quero imenso viver sozinha. Mas imenso mesmo. 

 

Unic Horn

 

Acabei de cometer uma loucura, mas uma loucura tão tão saudável. Presenteei-me com a sweat da imagem acima. É da marca Unic Horn, uma marca de roupa vintage, a preços acessíveis, dada a qualidade do material, feita por uma rapariga aqui da zona, Isabela Gonçalves. Ela diz que a sweat é ainda mais linda ao vivo e deve chegar terça ou quarta. Estou ansiosa! Aproveitei e dêem um olhinho pela colecção aqui

The Perks Of Being A Bookworm

Quem segue o meu tumblr, já percebeu que tenho um pequeno grande fascínio por estantes, prateleiras, e todo o tipo de estruturas que suporte livros. Ora, o que acontece cada vez que vou a casa de alguém é examinar exaustivamente, sem perder o fio à meada, tal e qual um autêntico Sherlock, as ditas cujas. Fico tão desiludida com prateleiras onde apenas figuram os livros de leitura obrigatória por parte da escola, ou romances da Margarida Rebelo Pinto/Nora Roberts/Augusto Cury. O comentário mais ouvido é sempre "Só tens estes livros?", o que mais tarde ou mais cedo vai conduzir à minha pessoa nunca mais ser convidada para visitar os habitáculos destes. Cultivem-se mas é, pá.

 

Lista de coisas irritantes na minha vida




1. Começar a escola com este calor do raio não tem graça nenhuma. Quero usar botas e casacos.

2. Isto de trabalhar até quinta-feira e começar as aulas segunda não está com nada. Escravidão. 

3. Alguém que se disponibilize para vir arrumar o meu armário, se faz favor? Mete medo ao susto. 

4. Será que para ter relativa popularidade tenho de mudar-me para o blogspot e tornar-me fashion blogger? Sei lá. 

5. Estou com um humor fascinante. Props para o período.

O meu companheiro, Azar.

Desde dia 6 de Agosto que trabalho na Benetton, e em tantas semanas, só trabalhei 1 sexta-feira, dado que só precisam de mim segunda, terça, quarta e quinta. A minha gerente ligou-me há 20 minutos a dizer que precisava de mim esta noite. Hoje é o jantar de aniversário do B. Oh Azar, já tinha saudades tuas meu.

A melhor série de sempre

Lembro-me perfeitamente de estarmos em 2007/08 e dar a publicidade na mtv de uma série que viria a chocar tudo e todos. Como boa adolescente (ou tentativa de), comecei a ver essa série, que se dava pelo nome de Skins. Tinha tudo o que era proibido na sociedade, era uma panóplia de coisas obscenas e erradas que chocavam qualquer pessoa, mas nunca teve esse efeito em mim. Havia qualquer coisa naquela série que me compreendia. Aqueles personagens tão ricos e complexos, existia um mundo de histórias dentro daquelas pessoas que se tornaram os meus melhores amigos quando ninguém me compreendia. Nunca uma série me influenciou tanto como Skins. Não, não me levou a consumir drogas e a beber desenfreadamente, como aqueles jovens na televisão o faziam, mas ajudou-me a abraçar a minha personalidade com todas as qualidades e todos os defeitos. 7 temporadas se passaram e o meu coração partiu-se com o anúncio do final da série. Esta série tocou-me tanto que ainda hoje me emociono com as personagens, as histórias, os ambientes. Todos eles, de todas as três gerações, tornaram-se os meus melhores amigos, e é isso que faz de Skins a melhor série de sempre, ser tão verdadeira que nos envolve dentro dela, sendo que somos também uma parte dela.

 

Tenho tanto para dizer sobre todas as personagens que chega a ser uma coisa parva.