Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Valentine

um blog indefinido e mesclado como só ele sabe ser

22
Mar12

Fox sempre a surpreender-me

Jules

 

 

Esta série foi das maiores surpresas de sempre. Adoro, adoro, adoro, sou completamente viciada. Tem um enredo super simples, é um homem que encontra tudo após um trauma de guerra. Os companheiros, Leo e Isabel, e até a cigana Willa são um amor, e de uma genialidade. É leve, mas complexa, e dá para rir tanto com as ideias do Walter. Para ser melhor ainda, por ser dos mesmos criadores, é comum juntarem as duas séries, e, até agora, já tivemos o Dr. Sweets a analisar a sanidade mental do Walter e o Hodgins à procura de Aliens. As minhas quartas à noite são fantásticas, Bones and The Finder. 

21
Mar12

"enriquecendo a minha lista de livros" segundo a prof de português

Jules

 

De seguida, já li (DO PRINCIPIO AO FIM!) nestes últimos tempos, 2 livros e vou no 3º : 

 

A história é simples e a escrita da Inês Pedrosa contagia-me de maneira ferverosa para não parar de ler. 
Gostei bastante, foi super engraçado e envolvi-me o suficiente para sentir empatia pelas personagens, coisa que há muito que não me acontecia.
DI-VI-NAL. Já tinha ouvido falar muito bem deste autor, mas nunca pensei que fosse assim tão tão bom. As personagens estão muito bem construídas e o enredo é de uma qualidade como há muito não via, fiquei abismada com as surpresas e reviravoltas todas que li. Entrou directo para a lista dos melhores livros que já li. 
e comecei ontem este: 
 Vou no 4º capítulo e estou a gostar bastante. Tinha surgido em conversa o título com a minha prof de Português, que eu adoro de morte,
mas não julguei grande espingarda, para variar, ultimamente. Como ontem acabei o do Zafón, tive de arrancar algo da minha estante recém-preenchida (fui roubar livros à colecção da minha mãe) e calhou este. Tem uma vertente culinária muito engraçada, dado que a protagonista, Tita, toda a vida viveu nesse ambiente. 

 

20
Mar12

there's nothing like you and i

Jules

perder as forças, cambalear para o teu envolvente e deixar-me lá ficar, vulnerável, indefesa e insegura. deixar a maré de malícia passar e esperar que as nuvens desimpençam o horizonte, para poder voltar a estar de pé, recuperando tudo o que perdi. és o meu porto de abrigo, cada vez mais, e sabe bem que seja assim. não há quem saiba lidar comigo quando estou vulnerável como tu. amo-te.

 

para sempre a tua pequenina, 

jules.

14
Mar12

open heart.

Jules

 

 

 

Encontro o teu olhar no fundo da sala, e, logo aí, sei que nada me pode atingir. Subo ao cume da montanha mais alta, onde ninguém me vê mas eu vejo toda a gente. Sou cercada por uma redoma que me protege de qualquer ataque, por mais esquivo e traiçoeiro que seja. E tudo isto apenas por me encontrar com os teus olhos, cor de canela, portadores da luz cristalina e honesta de uma criança. Leio neles a certeza de pertencermos um ao outro, e guardo para sempre essa leitura numa memória debroada e fechada com estampa escarlate. 

 

Digo que te amo como se fosse a primeira vez que alguma vez to dissesse, porque a primeira vez é sempre a mais genuína. É o culminar de explosões apoteóticas guardadas na caixa de Pandora à espera de ser aberta. É o verso mais bonito de um poema esquecido num papel pardo. É o primeiro chilrear do rouxinol ao alvorecer. É a coisa mais simples e mais complexa do mundo, amar-te. 

13
Mar12

moving on

Jules

"Por vezes não percebo de quem gostas mais ou não. De mim ou dela. Gostavas mais de mim quando éramos só amigos porque não te sentias culpado por gostares dela? Não sei, meu amor, não sei mesmo. Sei que te amo como no primeiro dia, ou talvez mais."

- 13/03/2011

 

 

Ontem agarrei no caderno que foi o meu maior alicerce, naquela, que foi a mais longa fase da minha vida. Reli os textos que havia escrito no inicío da minha relação com o Mister, no final catastrófico da relação, e durante toda aquela fase de sarar as feridas. O caderno estava posto de lado já há algum tempo e abri-lo novamente foi ver todos estes momentos da minha vida à minha frente e não me reconhecer em nenhum deles, e isso trouxe-me paz de espírito. Saber que encaro tudo aquilo como uma fase que passou, que agora estou com outra pessoa que me diz bastante e sou amiga do Mister, traz-me paz de espírito. Nada sabe melhor que isso. I'm moving on. 

11
Mar12

crónicas de uma estudante de humanidades desesperada

Jules

é domingo e eu ainda não fiz nada à minha vida. tenho teste de história terça, espanhol quarta e filosofia quinta. ontem fiz brownies, levei o dia inteiro com o B e fui sair até às 3h e tal. hoje levantei-me para almoçar e jogar angry birds. é que não há vontade nenhuma para o que quer que seja! tou farta do liberalismo e dos maias, preciso tanto de uma pausa da escola, é extenuante. e levar com o meu pai todos os dias a dizer "então e a escola, e as notas vão subir para a páscoa?", se houver menos pressão, pode ser que corra tudo bem. MAS AGORA ESTUDAR HISTÓRIA??? opa, não tenho vontade :( 

 

(isto é extremamente engraçado e eu adoro gatos. ktnxbye)

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D